sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Somos notícia... no Mirante, e Gazeta das Caldas!


Gazeta das Caldas


Jornal o Mirante de Santarém

Artigo de destaque na primeira página muito bem escrito.




Gazeta das Caldas Online.
http://www.gazetacaldas.com/Desenvol.asp?NID=24720

Hoje recebo um e-mail logo de manhã da minha amiga Isalenca, com esta noticia da Gazeta das Caldas.
Obrigado, por todas as informações que nos dás! Estás sempre atenta, e solidária.

Eu tinha dado a entrevista à dois meses, e nem sabia ao certo quando saía.
Gostei imenso do do artigo escrito pela jornalista Natacha Narciso, focou todos os pontos mais importantes.

A peça de Teatro "Rosa Esperança" vai ser com toda a certeza, um meio de divulgação para a importância de fazer a apalpação e o rastreio do cancro da mama.

Mais informações no blog:

http://equemnaotemcao.blogspot.com

Artigo Jornal Mirante:

Encenador Rui Germano prepara "Rosa Esperança” em Rio Maior.Primeiro foi a mãe. Ultrapassou um cancro da mama há 26 anos. Depois a amiga Cláudia partiu muito cedo. “Rosa Esperança”, uma peça de teatro encenada por Rui Germano, conta histórias reais de sete mulheres que enfrentaram a doença e vai ser apresentada em Rio Maior. Um jovem encenador de Rio Maior, advogado de profissão, está a preparar um espectáculo de teatro baseado em histórias reais de mulheres que enfrentaram o cancro da mama. Rui Germano, 37 anos, é o “comandante”, como lhe chamam nos ensaios que decorrem no Cine-Teatro de Rio Maior aos domingos. Elas são sete mulheres com histórias diferentes, mas com uma coisa em comum: o cancro da mama.O projecto do grupo, "Quem Não Tem Cão" arrancou em Outubro e vai estrear a 4 de Abril na cidade. Qualquer semelhança com a realidade é intencional. A base é real, mas as experiências estão baralhadas propositadamente. “Realidade e a ficção estão de tal forma embrulhadas que nós próprios já temos dificuldade em perceber se isto foi mesmo assim ou não”, diz o encenador que reuniu as histórias de “Rosa Esperança”. Rosa, nome de mulher e da luta contra o cancro da mama. “Esperança porque é aquilo que todas as mulheres têm quando iniciam este processo”, diz o encenador. A história relata a evolução da doença. A descoberta, a ida ao médico, o medo do diagnóstico, o internamento, a cirurgia e os tratamentos. “Não há aqui traição, nem nem amor, nem suspense”, avisa o encenador.O texto ainda não está pronto. É um processo em aberto. Uma espécie de laboratório. Todas as semanas há alguém que propõe uma alteração. “A doença fez-me renovar o guarda-roupa”, ensaia Carla Pedro, uma jornalista de 40 anos, residente em Lisboa, a quem o cancro bateu a porta. “O que aconteceu comigo foi que me apercebi da minha mortalidade. E além disso engordei 18 quilos por causa dos tratamentos e tive mesmo que comprar roupa”, diz arrancando gargalhadas entre o grupo.O humor ajuda a afastar as recordações de um processo doloroso. Como a quimioterapia. “Quando me avisaram que me cairia o cabelo foi o meu marido que disse que me cortava o cabelo. Virei-me para a banheira. Chorava eu e chorava ele”, relata Lina Pereira, 43 anos, residente em Alverca. “As pessoas dizem-me: Lina estás mais bonita do que eras antes”. Ouvem-se frases soltas. De sorrir. E chorar. Saem da peça. Mas são verdades da vida real. “Hoje é um dia, amanhã é outro”.As mulheres são bancárias, professoras, esteticistas, jornalistas e empresárias. De Rio maior, de Alcobaça, Lisboa e Ovar. Conheceram-se num blog (http://superglamorosas.blogspot.com/) criado por uma amiga do encenador que acabou por falecer. Cristina Jordão, 41 anos, bloguista, também viveu de perto a doença da amiga e ajudou a reunir o grupo. “Elas não são actrizes nem querem ser actrizes. São mulheres normais que têm em comum o facto de terem tido cancro da mama”, diz Rui Germano. Quem não faz parte do elenco participa de outra forma.A Claúdia, os amigos nunca lhe levaram flores. Compravam-lhes antes vernizes das cores preferidas, recorda Cristina Jordão. Há uns silêncios, que só elas percebem, uns sorrisos e uma lágrima no olho que é mais importante que qualquer palavra. “Essa cumplicidade, aproximação e generosidade é que é importante”. E o que era um projecto só para mulheres com cancro da mama, já tem a participação de alguns maridos. “Os homens participam “isto de uma forma silenciosa. O cancro da mama não é uma doença individual. É uma doença da família”, explica o encenador que há 26 anos acompanhou o processo de doença da mãe (ver caixa).O projecto não acaba com a peça. Há uma ideia para um livro e uma digressão que o grupo quer que aconteça, tal como um ciclo de sessões fotográficas. No quadro final elas vão ser vestidas por sete costureiros portugueses. “Elas querem que sejam homens”, anuncia Rui Germano a quem interessa passar a mensagem destas mulheres utilizando o teatro. Cacilda ou uma história de sucesso. Foi há 26 anos. Em Agosto. Cacilda Germano sentiu um nódulo e procurou o médico. Encaminharam-na para o IPO. “Na altura isso era sinónimo de cancro e de morte”, diz Cacilda Germano, hoje com 68 anos. Menos de quatro meses depois estava a ser operada. Mas a intervenção não foi fácil. A família foi o porto de abrigo. Mais de duas décadas depois está bem de saúde para contar a história. A empresária do ramo avícola, residente em Rio Maior, é a mãe do encenador de “Rosa Esperança”. E foi literalmente um dos motores da ideia.“Estão a ser muito falados casos envolvendo figuras públicas. Diz-se que o cancro da mama é uma doença, mas que é uma questão de tempo e que se ultrapassa, mas infelizmente não é assim. Há pessoas que não conseguem ultrapassar. Felizmente é uma minoria”, ressalva Rui Germano que acompanhou o processo de uma amiga que não conseguiu vencer a doença. “O cancro da mama não é uma constipação”.

9 comentários:

Lina Querubim disse...

Acreditem,acreditem...vão ainda muito mais longe!!!!
Beijinhos

Nela disse...

YES!!!! Ganda artista! A Alda domina as Caldas!
Jinhos

IsaLenca disse...

E viva as Caldas e os Caldeus!! Caldenses!
Afinal não é só malandrice que nasce lá...também há pessoas que, apesar de brincalhonas, sabem transmitir bem as mensagens que querem passar!
Bom fim-de-semana.
Bjs

Gigi disse...

Estou deserta que chegue o dia da estreia.

Beijocas.

Anónimo disse...

Parabens a toudas voces sao as maiores vao ser ainda muito famosas Alice gregorio

23 de janeiro 2009

carla disse...

Boa Alda e viva as Caldas...
Beijos a todas

Cristina J. disse...

A Aldinha é a maiiiiiiiiior!!!!

Bom... não literalmente, mas é a maiiiiiior, ehehehe

Bjokas Alda e que consigas concretizar essa vontade de terem um espaço vosso.

Alda disse...

Obrigado a todas pela vossa simpatia!
Muitos beijinhos

sticker disse...

new999
nvtao778
guojin67
huangrong99
xiaolongnv