domingo, 12 de julho de 2009

Cancro do pâncreas, nova esperança

Domingo, 12 de Julho de 2009

Pâncreas: Investigação abre esperança ao tratamento do cancro

O cancro do pâncreas é um dos mais letais e quando é descoberto já pouco se pode fazer, mas investigadores da Universidade de Coimbra recorreram à genética para descobrir quais as lesões que se tornarão malignas.

Pioneira a nível internacional, a investigação está a ser finalizada no Centro de Investigação em Meio Ambiente Genética e Oncologia (CIMAGO) da Faculdade de Medicina de Coimbra e os resultados permitem perspectivar, a curto prazo, uma metodologia capaz de discriminar as lesões que no futuro evoluem para cancro.

A investigação consiste em análises genéticas de vários marcadores no DNA do líquido ou aspirado pancreático, colhido na biopsia, identificando as mutações que prevêem a evolução para a malignidade.

Deste modo, a análise genética pode ser feita muito antes da degeneração, o que permite uma conduta terapêutica preventiva, ou seja, a cirurgia, que continua a ser o mais eficaz tratamento destes tumores.
Pelos métodos actualmente disponíveis, em cerca de 80 por cento dos casos em que se detecta um cancro do pâncreas já não é possível operá-lo e o tratamento por quimioterapia e por radioterapia tem resultados muito limitados, referiu à agência Lusa José Manuel Pontes, coordenador da investigação.

«Mais de 90% das pessoas a quem é diagnosticado cancro do pâncreas estão mortas em cinco anos. Entre os 20 por cento que são operáveis, a maior parte acaba por ter uma recidiva tumoral e morre», explica.

Na prática, «só nos casos que, quase por milagre, são diagnosticados numa fase muito precoce é que a cirurgia é curativa e estão vivos aos cinco anos», refere, salientando que este é o quinto cancro mais frequente em Portugal, e tem vindo a aumentar a nível internacional.

Em média surge já na terceira idade, mas também aparece em crianças. O tabaco e o álcool, além da história familiar, são factores de risco.


O número de novos casos em cada ano (entre 500 e 1.000) é idêntico ao dos doentes que morrem, afirma José Manuel Pontos, frisando ser algo que não acontece com mais nenhum tumor.

A equipa da Universidade de Coimbra tem vindo a pesquisar as mutações genéticas com risco oncológico em tumores e quistos. Participam cerca de 160 doentes dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC), Instituto Português de Oncologia do Centro (Coimbra) e Hospital CUF (Lisboa).

A análise dos marcadores genéticos é feita a partir da colheita na biopsia, que já habitualmente é feita no doente que apresenta queixas ou lesões, não encarecendo assim o diagnóstico nem sujeitando o paciente a nova intervenção invasiva.

José Manuel Pontes diz que em 25% dos casos em que é possível operar acaba por se constatar que a cirurgia era desnecessária, pois o que existia era apenas uma inflamação pancreática. E trata-se de uma operação de alto risco, com elevada morbilidade e mortalidade.

«O objectivo é permitir um diagnóstico mais seguro, fiável, para detectar quais as lesões que evoluem para a malignização, e propor um tratamento preventivo, que é a cirurgia», conclui o investigador.

Diário Digital / Lusa

10 comentários:

IsaLenca disse...

É bom que apareçam novas esperanças neste tipo de cancro. Fez dia 8 um ano que o meu sogro morreu, vitimado por este cancro que atacou de forma rápida : 3 ou 4 meses depois do diagnóstico. A idade de 77 anos também não ajudava. Enfim, agora está em paz.

Bjs.

Alda disse...

Beijos Isabel, e uma boa semana.

Liliana disse...

É mito reconfortante saber que a ciência continua a evoluir para minorar os efeitos desta praga.

Ainda esta semana vou fazer uma surpresa a vocês!!!! (Aldinha e Zé Manel) :D

Beijinhos

Anónimo disse...

Espero que cheguem rapido a algumas conclusões sobre esta "peste" . Para a minha mãe já é tarde infelizmente apos ser descoberto demorou 4 meses para "ele" me a roubar, a quimioterapia que ainda a subteram foi meramente paliativa e no ultimo mes devido as altas doses de morfina que lhe davam ficou inconsciente. Para se ficar em paz não devia ser necessario sofrer tanto...
Só peço a Deus que esta pesquisas começem a dar resultados rapidamente...
Beijokas Alda+Ze
Guadalipe

Anónimo disse...

quero dizer , ja nem sei escrever o nome, deve ser do adiantado da hora...
Guadalupe

Natty disse...

Olá Aldinha, ainda bem que ciência está a evoluir para a decteção mais eficiente dessa maldita doença que infelizmente quando no pâncreas quase sempre ou mesmo sempre faz vitimas.
XI-CORAÇÃO
Natty

sancho disse...

A minha sogra foi-lhe detectado este tumor no pancreas há 11 meses, tem vindo a fazer quimio, entretanto as lesoes estenderam-se ao figado e aos ossos, as dores aumentam, é horrivel, será preciso sofrer tanto... era uma pessoa sem antecedentes, alimentação normal e regrada... não dá para perceber. Neste momento o que a alivia são os comprimidos de morfina que toma, não sei por qt mais tempo. Boa sorte para os investigadores..

Anónimo disse...

Hi to every one, the contents present at this website are in fact awesome
for people experience, well, keep up the good work fellows.
Also visit my web blog football news transfers

Anónimo disse...

Everyone loves what you guys are up too. This sort of clever work and exposure!
Keep up the fantastic works guys I've incorporated you guys to my personal blogroll.
Here is my webpage - latest transfer news premier league

Anónimo disse...

Wow, marvelous weblog structure! How long have you been
running a blog for? you made running a blog glance easy.
The whole glance of your web site is fantastic, let alone
the content material!
Also visit my web-site : pizza games pc